Gestão em tempos de crise

Em tempos de crise, alguns métodos e expressões retornam ao mundo dos negócios, na maior parte das vezes, trazendo dúvidas sobre o seu significado e sobre sua aplicação no dia a dia das empresas. Antes de explicar o método de gestão de crise, é importante falar sobre a origem etimológica da expressão. Crise, do grego krinein, quer dizer decidir ou, mais apropriadamente, a capacidade de bem julgar.

Sua primeira aplicação tem origem na medicina. Para quem conhece a área da saúde, é fácil compreender, pois equipes técnicas precisam tomar decisões e realizar escolhas de forma rápida todos os dias.

Crise é diferente de problema, que é o resultado indesejado de algum processo, onde a partir do conhecimento das causas, podemos controlar os seus efeitos, atuando diretamente na causa origem do problema. Crise, diferentemente, é um evento imprevisível capaz de provocar prejuízos significativos a uma instituição e, consequentemente, aos seus integrantes. Se juntarmos a origem etimológica da palavra com as características que a diferenciam de problema, podemos compreender de forma clara que uma crise é um ou a cominação de “n” eventos que podem colocar em risco a continuidade de um negócio.

 

É fundamental compreender-se que um momento de crise também apresenta alguns aspectos positivos, pois todo momento como esse apresenta oportunidades de crescimento, de rever conceitos, métodos e ideias, enfim, chances de mudança. Apesar de não ser fácil compreender que, nesta fase, onde há imprevisibilidade, devemos estar atentos para as novas necessidades, às alterações na dinâmica do negócio e às oportunidades que estão escondidas em forma de problemas. Em diversos idiomas orientais, não há uma distinção clara entre o conceito crise e oportunidade. No mandarim, o mesmo ideograma representa as duas ideias.

Por isso, é importante que uma das etapas do gerenciamento de crise seja a identificação de mudanças estruturais. Esta fase é onde iremos avaliar se o que fazemos ainda faz sentido com o mundo lá fora, pois precisamos reforçar o conceito de que agregar valor é aumentar a nossa capacidade de satisfazer necessidades e expectativas dos nossos clientes. Um período de crise altera a nossa base social, cultural, comportamental e econômica. Se você não sabe que mudanças podem ocorrer no seu modelo de negócio no pós-crise: fique atento, pois essa realidade futura poderá ser um novo problema para sua empresa.

O gerenciamento de crise não é uma ciência exata. Isto porque, cada crise apresenta características distintas, exigindo soluções particulares. O gerenciamento de crise é um método que utiliza uma sequência lógica para resolver eventos, os quais são fundamentados em probabilidade. Por este motivo, precisa-se criar, na organização, um processo de análise e reflexão, agindo com base em probabilidade – cuidadosamente calculada.

Precisamos compartilhar o entendimento de crise e definir um grupo de pessoas dedicadas para apoiar o processo de análise e decisão. Este é o primeiro passo de orientação para as empresas que são nossas clientes ou que buscam o nosso suporte, especificamente, para gestão de crise. Esta equipe tem que ser multidisciplinar, possibilitando que tenhamos a visão do todo. Esta estrutura é denominada de comitê de crise. Este assume uma postura organizacional não rotineira, pois há uma grande diferença entre as atividades diárias da empresa e as suas atividades num período de crise.

O comitê cria o processo racional e analítico de identificar, obter e aplicar recursos necessários à antecipação, prevenção e solução, com ações baseadas em análises. Estas ações seguem critérios, são três premissas para a tomada de decisão. A primeira: necessidade, onde avaliamos se é indispensável a nossa ação, de modo a identificar, antecipar ou prevenir.

Segunda: validade do risco, todas as ações devem considerar o risco oriundo da execução e, se é compensada pelos seus resultados.

E, terceira: aceitabilidade legal, moral e ética.

A partir da formalização do comitê e de suas regras de operacionalização, é possível executar os três blocos do nosso método. São eles: ações imediatas, ações de médio e longo prazo e considerações sobre reestruturação.

Espero que tenha gostado! Se tiver dúvidas não deixe de entrar em contato conosco. Até breve!

por Rodrigo Boehl

Consultor Técnico KA Consultoria

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Por email